DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia
Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP
Faculdade de Farmácia - Universidade Federal da Bahia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Uma via democrática

William Antonio Gonçalves

 

A informação dolorosa e tátil é enviada de diversas regiões do corpo, para a medula espinhal. Nesta região, ocorre a troca dos sinais eletroquímicos que começaram na periferia, e seguem rumo até regiões centrais do sistema nervoso central (SNC). Em recente Trabalho, Choi e colaboradores demonstraram o itinerário anatômico da informação nociceptiva (capas de induzir a dor) e tátil.

 

Utilizando técnicas de engenharia genéticas modernas, os autores identificaram duas populações distintas de neurônios de projeção que conectam a medula espinhal ao núcleo parabraqueal lateral (NPBL), estrutura localizada na ponte. Essas populações de neurônios de segunda ordem recebem o sinal proveniente de nociceptores e mecanoreceptores, e são sensíveis estímulos provocados por estímulos térmicos nocivos, inócuos e estímulos mecânicos. Ao enviar esse sinal para ao NPBL, esses neurônios podem desencadear tanto a sensação de dor, quanto uma sensação positiva associada ao toque.

 

Em resumo, esse trabalho desvendou uma via constituídas por duas populações de neurônios de projeção, que formam um trajeto do corno dorsal da medula espinhal, até a ponte. Ela é capaz de enviar tanto a informação sensorial nociceptiva, que desencadeia a dor, quanto a informação tátil com potencial para gerar alguma sensação agradável.

 

Referência: Choi S, Hachisuka J, Brett MA, et al. Parallel ascending spinal pathways for affective touch and pain. Nature. 2020;587(7833):258-263. doi:10.1038/s41586-020-2860-1

 

Alerta submetido em 07/12/2020 e aceito em 07/12/2020.