DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Modulação endógena da dor em crianças com distúrbios funcionais da dor abdominal

Rafaela Gomes Portela
 

Os Distúrbios Funcionais da Dor Abdominal (Functional Abdominal Pain Disorders -FAPD) são comuns entre crianças e jovens com prevalência global de 13,5%. Porém, até o momento, pouco se sabe sobre a função dos mecanismos analgésicos endógenos neste grupo vulnerável. Portanto, este foi um estudo cego de caso controle, conduzido entre fevereiro de 2017 e setembro de 2018 no departamento de pediatria do Hospital da Universidade de Antuérpia (UZA), Edegem, Bélgica, que teve como objetivo comparar a modulação da dor condicionada (CPM), algometria de pressão e variáveis psicossociais, como catastrofização da dor dos pais e medo da criança relacionada à dor; em 39 crianças com idades entre 6-12 anos com FAPD e 36 controles pareados por idade e sexo.

 

A algometria de pressão foi utilizada para avaliar os limiares de dor à pressão nos locais de teste tanto sintomáticos (periumbilicais) quanto remotos (trapézio e tíbia). O CPM foi registrado como um aumento no limiar de dor por pressão no local do teste do trapézio em resposta à dor de condicionamento experimental imposta pela tarefa de pressão a frio (12 °C ± 1 °C). Os avaliadores foram cegados para os diagnósticos. Questionários de preocupação parental e / ou auto relatados foram usados para avaliar a intensidade da dor da criança, a incapacidade funcional, o medo relacionado à dor e a catastrofização da dor dos pais. Em comparação com os controles sem dor, crianças jovens com FAPD apresentaram menores limiares de dor à pressão em todos os locais de teste, maiores níveis de incapacidade funcional e maior medo relacionado à dor.

 

Pais de crianças com FAPD tinham uma história de dor crônica e apresentaram maiores níveis de catastrofização sobre a dor de seus filhos do que pais de crianças saudáveis. Não foram encontradas diferenças entre os sexos para as medidas experimentais de dor. Este foi o primeiro estudo a investigar e relatar que crianças jovens de ambos os sexos com dor abdominal crônica têm analgesia endógena menos eficiente em comparação com controles saudáveis.

 

Referência: Pas R, Rheel E, Van Oosterwijck S, Leysen L, Vijver E, Nijs J, Ickmans K, Meeus M. Endogenous pain modulation in children with functional abdominal pain disorders. Pain. 2019 [Epub ahead of print]

 

Alerta submetido em 03/05/2019 e aceito em 03/05/2019.

 


Leitura original e/ou complementar