DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia
Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP
Faculdade de Farmácia - Universidade Federal da Bahia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

O impacto da dor menstrual na saúde da mulher

Pedro Santana Sales Lauria
 

A dismenorreia é a principal causa de dor entre mulheres em idade reprodutiva. Ela pode ser definida como uma dor abdominal em cólicas que ocorre pouco antes ou durante a menstruação. Em alguns casos, esta dor pode ser intensa e limitante, comprometendo a qualidade de vida e bem-estar das mulheres. Estudos demonstram que a dismenorreia aumenta o risco de desenvolvimento de outras formas de dor, incluindo síndromes de sensibilização central (condições dolorosas que envolvem alterações no sistema nervoso central). Com o objetivo de investigar como a menstruação influencia na experiência feminina da dor, duas pesquisadoras canadenses desenvolveram um questionário online para avaliar a inter-relação entre dor menstrual, sintomas somáticos e síndromes de sensibilização central.

 

O estudo avaliou 248 mulheres cisgêneras de uma universidade canadense, incluindo funcionárias e estudantes. A maioria era branca, solteira e sem filhos. Considerando que a dismenorreia é atenuada com a idade, apenas foram incluídas mulheres de 17 a 30 anos (média de 21 anos). Dentre as participantes, 167 mulheres (67%) apresentavam dismenorreia e 16 mulheres (6%) possuíam diagnóstico de endometriose como causa da dor menstrual. Como esperado, as mulheres com dismenorreia reportaram dor durante o ciclo menstrual, com maior intensidade e duração nas mulheres com endometriose. Níveis mais elevados de dor foram associados a sintomas somáticos mais frequentes e severos, como dores no corpo, tontura, cansaço e dificuldade para dormir. Além disso, foi observado que as mulheres com dismenorreia e endometriose possuíam três vezes mais chances de desenvolver síndromes de sensibilização central, como enxaqueca e síndrome do intestino irritável.

 

Foi demonstrado, portanto, que as mulheres com dismenorreia e endometriose são as que sentem mais dor durante a menstruação e têm maiores probabilidades de desenvolver sintomas somáticos e síndromes de sensibilização central. A dor menstrual ainda é um problema de saúde negligenciado e que afeta grande parte das mulheres. O diagnóstico da dismenorreia e o seu tratamento eficaz devem ser prioritários, pois o controle adequado da dor tem impactos positivos na qualidade de vida e na saúde da mulher.

 

Referência: Gagnon MM, Elgendy R. Comorbid pain experiences in young women with dysmenorrhea. Women Health. 2020;60(8):946-957. doi:10.1080/03630242.2020.1781741

 

Alerta submetido em 10/08/2020 e aceito em 10/08/2020.