DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Atividade física para o controle descendente da dor em idosos saudáveis

Henrique de Oliveira Castro

 

Um estudo realizado por um grupo de pesquisadores de Indianápolis (USA), publicado no renomado periódico Pain, avaliou 51 idosos saudáveis e obteve dois resultados chaves que relacionam a atividade física com a modulação endógena da dor nesta população.

 

O primeiro resultado confirma a hipótese levantada pelos autores de que aqueles que realizam maior quantidade de atividade física moderada e vigorosa exibiam um quadro de melhora dos fatores facilitadores da dor, ou seja, eram mais resistentes à dor.

 

Porém, o segundo resultado descrito pelos autores não corrobora com a hipótese anteriormente comentada. Observou-se que os idosos saudáveis que faziam mais atividades físicas leves ou tiveram um comportamento sedentário, obtiveram resultados satisfatórios na melhora da função inibitória da dor, ou seja, sentiam menos dor.

 

É importante ressaltar que os mecanismos biológicos exatos subjacentes ao controle descendente da dor com o envelhecimento permanecem desconhecidos. Porém, já é descrito que o envelhecimento está associado à elevação dos níveis de estresse oxidativo e degradação do sistema inflamatório, o que induz a sensibilização do sistema nervoso periférico e central através de várias vias, e que pode ser retardado com a realização de exercícios aeróbicos.

 

Outro mecanismo potencial que poderia iniciar uma discussão sobre o segundo resultado encontrado envolve aumento na disponibilidade de serotonina no sistema nervoso central através da prática de atividades físicas leves e o comportamento sedentário com atividades prazerosas. Por exemplo, uma forma de liberação da serotonina relacionada a não praticar nenhum tipo de atividade física (comportamento sedentário) seria estar em uma situação confortável e fazendo algo que seja prazeroso.

 

Agora os pesquisadores pretendem expandir o estudo e observar se o tipo de atividade física influencia no padrão de modulação da dor em idosos.

 

Referência: Naugle, K.M.; Ohlman, T.; Naugle, K.E.; Riley, Z.A.; Keith, N.R. Physical activity behaviour predicts endogenous pain modulation in older adults. Pain 158(3):383-390. 2017.

 

Alerta submetido em 28/03/2017 e aceito em 28/03/2017.

 


Leitura original e/ou complementar