DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia
Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP
Faculdade de Farmácia - Universidade Federal da Bahia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

O papel das expectativas no efeito placebo em crianças

Aryanne Faustino Albernaz

 

O efeito placebo é conhecido por ter dois mecanismos, o condicionamento, considerado um método mais direto e por expectativas, que envolve o discurso verbal para criar o efeito. Em sua maioria, os estudos relativos a esses métodos os consideram interligados e há pouca informação sobre impacto individual de cada, principalmente em crianças.

 

A fim de dissociar esses mecanismos e demonstrar o efeito único de cada, os participantes do estudo foram divididos entre grupos de expectativa e condicionamento. Compuseram a amostra pessoas de faixas etárias diferentes para examinar os efeitos da idade, divididos entre crianças (mais novas 6-9 anos e mais velhas 10-13), adolescentes e adultos.

 

Para testar os grupos, foi usada a dor induzida pelo calor e foi informado para os participantes que eles estariam testando dois cremes analgésicos quanto à eficácia, sendo que eles não eram comparados entre sim, mas sim a um grupo controle. Em conjunto, avaliaram a dor pela escala visual e parâmetro fisiológicos (frequência cardíaca e atividade eletrodérmica) para confirmar os efeitos.

 

Para o grupo condicionante, o experimento se dividia em mediar o limiar, provocar o condicionamento, que consistia em diminuir 4 graus no calor aplicado no braço que recebeu o “analgésico” (placebo) a fim de simular diminuição da dor e em seguida era feito o teste com as temperaturas normais. Já no grupo expectativa, foram medidos os limiares e o creme era aplicado com instruções dadas pelos pais ou profissionais, sugerindo um efeito do creme.

 

Sendo assim, a redução da dor pode ser então provocada pelos dois mecanismos, em que os resultados sugerem que há uma relação de idade específica entre um efeito placebo mais forte em crianças do que em adultos, provavelmente pela sugestionabilidade que diminui com a idade e o amadurecimento do córtex pré-frontal.

 

Outro ponto, é que crianças mais novas parecem ter maior redução da dor nos casos em que suas próprias mães passam a mensagem, sendo elas responsáveis pelas instruções verbais e sugestões, o que pode ser uma ferramenta importante a ser adotada nos serviços de saúde a fim de reduzir a dor.

 

Referência: Gniß S, Kappesser J, Hermann C. Placebo effect in children: the role of expectation and learning. Pain. 2020;161(6):1191-1201.

 

Alerta submetido em 12/06/2020 e aceito em 30/06/2020.