DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia
Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP
Faculdade de Farmácia - Universidade Federal da Bahia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

O impacto da dor relacionada à endometriose no dia a dia das mulheres

Luiza Carolina França Opretzka

 

Mais da metade das mulheres com endometriose sentem dor crônica relacionada a essa doença, foi o que revelou um estudo desenvolvido entre 2010 e 2016 em departamentos universitários, hospitais distritais e consultórios particulares na Suíça, Alemanha e Áustria. Pesquisadores desses três países avaliaram a associação entre a dor crônica relacionada à endometriose e diferentes aspectos da vida diária, para compreender melhor o impacto da endometriose no dia a dia das mulheres.

 

Cerca de 500 mulheres com diagnóstico de endometriose participaram do estudo e responderam a questionários que avaliaram diversos aspectos das suas vidas como: parâmetros socioeconômicos, histórico pessoal e familiar, histórico médico e psicológico, dor crônica, bem-estar, menstruação, gravidez, parceria e sexualidade. Com isso, os pesquisadores puderam avaliar como a endometriose, e a dor relacionada à ela, impacta na vida destas mulheres. O que eles perceberam é que 52% das mulheres com endometriose sofrem de dor crônica diretamente relacionada a essa doença. E entre as mulheres com dor crônica, metade sofre com outras síndromes dolorosas, como dor lombar, o que agrava seu sofrimento. A dor crônica tem uma influência negativa de moderada a alta em vários aspectos da vida das mulheres, desde atividades rotineiras como se sentar e dormir, até na sexualidade e no humor. Mas o principal impacto foi nas responsabilidades familiares/domésticas, na vida profissional e no funcionamento social. E quanto mais longos os episódios de dor, maior o impacto.

 

O estudo concluiu que apesar do tratamento para endometriose, cerca de 50% das mulheres sentem dor, e que isso repercute negativamente em vários aspectos da vida diária. A presença de comorbidades e a maior duração dos episódios de dor também contribuem para uma maior limitação no dia. Desta forma, estes são parâmetros que devem ser considerados no manejo da dor e cuidadosamente avaliados para fornecer opções de tratamento específicas para cada caso.

 

Referência: Leuenberger J, Kohl Schwartz AS, Geraedts K, et al. Living with endometriosis: Comorbid pain disorders, characteristics of pain and relevance for daily life. Eur J Pain. 2022;26(5):1021-1038. doi:10.1002/ejp.1926.

 

Alerta submetido em 10/05/2022 e aceito em 15/05/2022.