DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia
Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP
Faculdade de Farmácia - Universidade Federal da Bahia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Losartana reduz a neuroinflamação induzida pelo paclitaxel

Mateus Souza Neiva

 

O câncer é uma doença altamente debilitante cujo número de casos novos cresce a cada ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer. Algumas das estratégias mais utilizadas é a quimioterapia, que embora eficiente, pode trazer vários efeitos adversos.

 

O paclitaxel é um desses medicamentos, muito utilizado no tratamento do câncer de ovário e de mama. Ele pode trazer vários efeitos adversos, como os distúrbios cardiovasculares, gastrintestinais, a toxicidade sobre a medula óssea e a neurotoxicidade, que pode levar a quadros de neuropatia e dor neuropática, o principal limitador de sua dose.

 

A dor neuropática induzida pelo paclitaxel afeta de 44 a 98% dos pacientes, e diminui significativamente a qualidade de vida, durando desde semanas a anos. O processo patológico envolvido ainda não é totalmente esclarecido, já que ele pode acontecer por caminhos diferentes. Ainda assim, um dos mecanismos possíveis é o de que o fármaco se liga a receptores TLR4, expressos em células do sistema imune inato, e leva a resposta pró-nociceptiva direta no gânglio da raiz dorsal do nervo espinhal, além de promover efeito pró-inflamatório sobre macrófagos.

 

Várias pesquisas buscam alternativas terapêuticas que resolvam a neuropatia induzida pelo paclitaxel. Recentemente, um estudo encontrou resultados promissores em animais tratados com a losartana, medicamento anti-hipertensivo. Entre eles, a diminuição de marcadores inflamatórios nos principais tecidos envolvidos na resposta pró-nociceptiva, e também, redução da hipersensibilidade mecânica, através de testes sensoriais.

 

A principal explicação para o efeito está em um dos metabolitos da losartana, que é agonista parcial dos receptores PPARγ. Eles promovem a expressão do fenótipo M2 para macrófagos, que está envolvido em efeitos anti-inflamatórios e de regulação imune. Assim, a losartana mostra-se como alternativa para melhorar os efeitos da dor neuropática induzida pelo paclitaxel.

 

Referência: Kalynovska N, Diallo M, Sotakova-Kasparova D, Palecek J. Losartan attenuates neuroinflammation and neuropathic pain in paclitaxel-induced peripheral neuropathy [published online ahead of print, 2020 Jun 2]. J Cell Mol Med. 2020;10.1111/jcmm.15427. doi:10.1111/jcmm.15427.

 

Alerta submetido em 14/08/2020 e aceito em 14/08/2020.