DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia
Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP
Faculdade de Farmácia - Universidade Federal da Bahia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

O jejum e a realimentação induzem efeitos analgésicos por mecanismos diferentes

Gessica Sabrina Assis Silva

 

Quem poderia acreditar que a fome é analgésica? É o que sugerem diversas pesquisas e foi reafirmado em um estudo pré-clínico recentemente publicado na renomada revista Scientific Reports. Os cientistas demonstraram que não apenas o jejum e a realimentação induzem efeitos analgésicos, como o fazem por mecanismos diferentes.

 

Nesse estudo, camundongos foram avaliados em modelos de dor inflamatória aguda e crônica, e foi investigado se o comportamento de dor inflamatória é afetado por jejum de 24 horas e 2 horas após a realimentação. Em ambos os modelos, foi observado o efeito analgésico durante o jejum e também após a realimentação. Foram investigados ainda os mecanismos envolvidos nesses diferentes estados de analgesia. Os resultados encontrados sugerem que os sistemas opioide e endocanabinoide endógenos medeiam a analgesia induzida pelo jejum, mas não a analgesia induzida pela realimentação, indicando que a realimentação pode recrutar fatores analgésicos distintos da analgesia induzida pelo jejum. Dessa forma, a dieta de jejum intermitente, tão na moda atualmente, pode trazer benefícios adicionais à perda de peso, como por exemplo, a analgesia.

 

Referência: Lee JY, Lee GJ, Lee PR, Won CH, Kim D, Kang Y, Oh SB. The analgesic effect of refeeding on acute and chronic inflammatory pain. Sci Rep. 2019; 9(1):16873.

 

Alerta submetido em 02/05/2020 e aceito em 04/05/2020.