DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Fatores psicossociais predizem analgesia opioide por meio da função opioide endógena?

Renata da Nóbrega Souza de Castro *

 

Um estudo divulgado recentemente avaliou a relação entre a analgesia opioide endógena e fatores psicossociais negativos, revelando uma forte ligação entre os dois. Os pesquisadores encontraram que aqueles indivíduos que apresentavam fatores psicossociais negativos aumentados, como ansiedade, raiva, baixa auto-estima e depressão, obtiveram uma resposta aumentada à analgesia à morfina.

 

A dor crônica de moderada a forte pode ser abordada através do uso de analgésicos opioides, no entanto não se tem preditores validados em relação a sua eficácia. Já se sabe que fatores psicossociais negativos aumentados estão relacionados a menor função opioide endógena e que estudos clínicos têm associado tais fatores a uma possível redução da resposta analgésica opioide, o que refletiria por exemplo em maior necessidade de analgésicos em pós-operatórios.

 

Foram analisados 89 portadores de lombalgia crônica submetidos a um protocolo para avaliação do nível de dor, presença e o grau dos fatores psicossociais. Observou-se que quanto maior os escores psicossociais negativos, maior a analgesia à morfina; que maiores escores em efeitos positivos estão relacionados com menor analgesia à morfina; que melhores escores psicossociais estão relacionados com menor função opioide endógena e que uma menor função analgésica opioide endógena está associada com uma maior resposta analgésica à morfina.

 

O estudo concluiu que quanto melhor o humor, maior a atividade endógena do Sistema Nervoso Central e menor a exposição a analgésicos para redução da dor, sendo o inverso também verdadeiro. Logo, pacientes com humor reduzido se beneficiariam além de analgésicos opioides também de outras práticas não medicamentosas como: acupuntura, exercícios aeróbicos, dentre outras.

 

Referência: John W. Burnsa, Stephen Bruehl, Christopher R. France, Erik Schuster, Daria Orlowska, Asokumar Buvanendran, Melissa Chont, Rajnish K. Gupta. Psychosocial factors predict opioid analgesia through endogenous opioid function. Pain. 2017; 158(3):391-99.

 

* Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade Federal da Paraíba (2002) e Mestrado (Stricto Sensu) em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília (2009) . Atualmente é fisioterapeuta na Secretaria de Estado de Saúde Pública do Distrito Federal, atuando na UTI do Hospital Regional da Ceilândia, Chefe do Serviço de Saúde Funcional e Coordenadora do Núcleo de Qualidade Hospitalar e Segurança do Paciente do Hospital Regional da Ceilândia - SES/DF. Aluna da disciplina "Redação e publicação de trabalhos científicos 1" do Programa de Pós Graduação em Ciências e Tecnologias em Saúde da Faculdade de Ceilândia - UnB.

 

Alerta submetido em 13/04/2017 e aceito em 18/04/2017.


Leitura original e/ou complementar