DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

A seletividade anatômica na sobreposição de dores crônicas faciais e corporais

Rafaela Gomes Portela

 

A dor gerada pela Disfunção da articulação temporomandibular (ATM ou DTM), é uma forma frequente de dor orofacial crônica, afetando cerca de 11.5 milhões de adultos nos EUA. E assim como outros tipos de dores musculares crônicas, seus sintomas não são muito bem explicados. Porém, ainda há poucos estudos que quantificam como a etiologia de uma doença como a DTM gerou outras desordens e consequentemente dores em outros locais do corpo. O fator etiológico mais citado para explicar essa sobreposição de condições de dor é a sensibilização central, que amplia significativamente a sensação de dor, fazendo com que sensações inócuas passem a ser percebidas como dolorosa, ou seja, hiperalgesia. Esse fato gera mais sofrimento ao paciente, piores prognósticos e aumento nos custos de saúde. Assim, o objetivo desse estudo epidemiológico, foi quantificar o grau de sobreposição entre a dor facial e a dor relatada em outras partes do corpo.

 

Amostra do estudo: adultos, com idade entre 18 e 74 anos, morando próximos a um dos 4 locais do estudo nos EUA. Foi realizado com essas pessoas uma entrevista telefônica para determinar a classificação da dor facial. Após a seleção dos casos e controles durante a entrevista telefônica, foi enviado um questionário autoaplicável que havia um manequim desenhado para que as pessoas apontassem os locais onde sentiam dor, além da dor facial. A pesquisa durou 30 meses e conseguiu 1336 indivíduos que completaram a entrevista de triagem e o questionário e eram elegíveis para o estudo, sendo 424 casos de dor facial e 912 casos controles. Na análise dos dados, foi constatado que o grau de sobreposição foi muito maior para dor craniocervical do que para dor em outros locais anatômicos, a segunda região mais citada foi o pescoço e por último, as regiões abaixo do pescoço. Pela análise do manequim ficou claro que as pessoas com dor crônica facial sentem com mais frequência e intensidade dor por todo o corpo se comparados ao grupo controle.

 

Referência: Anatomical selectivity in overlap of chronic facial and bodily pain Slade GD, Rosen JD, Ohrbach R, Greenspan JD, Fillingim RB, Parisien M, Khoury S, Diatchenko L, Maixner W, Bair E. PAIN Reports. 2019; 4(3):729.

 

Alerta submetido em 15/07/2019 e aceito em 15/07/2019.

 


Leitura original e/ou complementar