DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia
Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP
Faculdade de Farmácia - Universidade Federal da Bahia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Diferenças da dor entre atletas brancos e negros nos EUA

Gustavo Lee Minari

 

Inquéritos recentes nos Estados Unidos demonstraram aumento percentual da dor de 30% da sua população em 1997/1998 para 41% nas últimas décadas. Entretanto, esses percentis não estão divididos igualmente entre a população, demonstrando afetar principalmente a população afro-americana. A partir disso, pesquisadores norte-americanos estudaram as diferenças de dor e correlações biopsicossociais da dor de jogadores de futebol americano, comparando os desfechos entre atletas negros e brancos. O resultado dessa pesquisa foi de que os jogadores afro-americanos estão mais expostos à diversos fatores quando comparados com os jogadores brancos, com maiores incidências de comorbidades como ansiedade, depressão e diversos fatores biopsicossociais que interferem na dor.

 

Esta pesquisa foi realizada a partir de um questionário respondido por 3995 homens registrados na National Football League, contribuindo com informações escritas e orais para o desenvolvimento do estudo. Dentre os desfechos analisados, perguntava-se a intensidade de dor que o jogador sentiu na última semana, fatores psicossociais a partir do Patient Health Questionnaire para avaliar sintomas de depressão e ansiedade, rede de apoio e fatores relacionados à saúde atual, como o índice de massa corporal, tabagismo, o histórico cirúrgico, quais hábitos de exercícios, dentre outros.

 

A partir desse inquérito, foram descobertas diversas disparidades de saúde relacionadas à etnia dos jogadores, como a associação entre dor e fadiga, maior incidência de depressão, dentre outros fatores. O desfecho que mais se destacou foi o de intensidade da dor, que se mostrou correlacionada com diversos fatores que predominaram na população negra, como distúrbios psicológicos e apneia do sono.

 

Referências: Edwards RR, Tan CO, Dairi I, et al. Race differences in pain and pain-related risk factors among former professional American-style football players. Pain. 2023;164(10):2370-2379. doi:10.1097/j.pain.0000000000002948

 

Alerta submetido em 06/11/2023 e aceito em 22/11/2023.