DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia
Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP
Faculdade de Farmácia - Universidade Federal da Bahia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Identificado o papel dos anestésicos gerais na supressão da dor

Alexandre Hashimoto Pereira Lopes

 

Os anestésicos gerais utilizados durante os procedimentos cirúrgicos são bem conhecidos por causarem perda de consciência e memória. Geralmente esses sintomas estão relacionados, com a capacidade dessas drogas produzirem analgesia. Pesquisadores de Durham, EUA, liderados por Fan Wang investigaram a relação dos anestésicos gerais e a indução de analgesia. Os resultados desse estudo demonstraram que a analgesia causada pelos agentes anestésicos gerais isoflurano e cetamina é independente dos efeitos sedativos dessas drogas. Esses fármacos demonstraram capacidade na supressão da dor por induzir o "desligamento da dor". Esse efeito demonstrou ser potente e recruta uma população distinta de neurônios GABAérgicos na amígdala central (CeA). O resultado dos experimentos de optogenética demonstrou que os neurônios ativados produzem um efeito antinociceptivo e autorregulante. Por outro lado, a inibição da atividade dos neurônios GABAérgicos localizados na amídala central exacerbou a dor, produziu forte aversão e bloqueou o efeito analgésico da cetamina em baixas doses. A analgesia não é propriedade principal dos anestésicos, entretanto os mecanismos moleculares interagem e compartilham dos circuitos neurais envolvidos no controle endógeno da nocicepção. Os resultados desse estudo contribuem para o entendimento da ação dos anestésicos gerais em produzirem efeito analgésico durante o controle da dor crônica.

 

Referências: Hua T, Chen B, Lu D, et al. General anesthetics activate a potent central pain-suppression circuit in the amygdala. Nat Neurosci. 2020;23(7):854-868. doi:10.1038/s41593-020-0632-8

 

Alerta submetido em 29/07/2020 e aceito em 19/08/2020.