DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

A conectividade cerebral em modelo de dor crônica

Ivo Vieira de Sousa Neto

 

A metástase óssea desencadeia um quadro de dor crônica que envolve aspectos nociceptivos. No entanto, as consequências desse estado estão estabelecidas a nível periférico e medular e as implicações na conectividade funcional do cérebro ainda continuam desconhecidas. Nesse contexto, a ressonância magnética funcional tem se tornado um método potencial para diversos estudos de funções cerebrais. Isso se deve, em grande parte, à boa resolução temporal e espacial em comparação a outros métodos. O método consiste correlacionar a variação do sinal da imagem adquirida por ressonância magnética com uma variação temporal. O estudo em questão examinou mudanças de conectividade no cérebro por ressonância magnética funcional que estão associadas ao desenvolvimento de dor em um modelo animal com câncer ósseo metastático. Além disso, os autores correlacionaram alterações de conectividade funcional com leituras comportamentais de dor (teste de Von Frey) e por fim analisaram os efeitos do tratamento antitumoral (Ácido zoledrônico). Os pesquisadores descobriram mudanças nas redes funcionais no cérebro (córtex cingulado, córtex pré-frontal, estriado ventral e, em menor extensão, hipocampo dorsal e córtex piriforme) em resposta à dor provocada por metástases de câncer tibial. Os resultados apresentados sugerem que ressonância magnética funcional pode ser útil para o desenvolvimento de novas terapias e estudos translacionais.

 

Referência : Buehlmann, D., Grandjean, J., Xandry, J., & Rudin, M. Longitudinal resting-state functional magnetic resonance imaging in a mouse model of metastatic bone cancer reveals distinct functional reorganizations along a developing chronic pain state. Pain. 2018; 159(4), 719-727.

 

Este alerta foi elaborado na disciplina 395528 - Seminários Avançados em Pesquisa em Ciências e Tecnologias em Saúde do Programa de Pós-graduação em Ciências e Tecnologias da Saúde, Faculdade de Ceilândia - UnB.

 

Alerta submetido em 27/04/2018 e aceito em 27/04/2018.

 


Leitura original e/ou complementar