Alerta postado em: 04/11/2019 e aceito em: 04/11/2019
 

DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Dor?

Luíza Carolina França Por

 

Sabemos que as mulheres, de forma geral, experimentam a dor de forma mais intensa e frequente que os homens. Acreditou-se por muito tempo que o estrogênio era o principal hormônio envolvido nas diferenças dolorosas experimentadas por homens e mulheres, mas pesquisadores do Canadá propuseram que a testosterona tem uma grande participação nesta disparidade e não necessariamente na diferença dos níves de dor, mas na própria forma como a dor é processada por machos e fêmeas.

 

Os pesquisadores Robert Sorge e Jeffrey Mogil, que fazem parte de um grupo na McGill University no Canadá, observaram em camundongos que havia uma diferença na forma como ocorreria a sensibilização à dor em fêmeas e machos, em diferentes tipos de dor crônica. Enquanto em machos a micróglia, um tipo de célula imune residente do sistema nervoso central, participava ativamente da iniciação e manutenção da dor, nas fêmeas outro tipo celular era preferencialmente utilizado: células T. Uma observação interessante dos estudos destes pesquisadores foi que ambos os sexos eram capazes de utilizar as duas vias, a depender da presença ou ausência de testosterona. Os experimentos demonstraram que machos jovens ou castrados utilizavam a via de fêmeas. Por outro lado, fêmeas que recebiam testosterona passavam a utilizar a via de machos, demonstrando que a presença de testosterona era importante para determinar a forma pela qual machos e fêmeas processavam a dor.

 

Hoje, o mercado farmacêutico oferece os mesmos analgésicos para pessoas de ambos os sexos. Mas se as raízes da dor forem diferentes, alguns medicamentos podem funcionar melhor em algumas pessoas do que em outras, em função das vias que estão sendo preferencialmente ativadas. Esta descoberta pode ajudar a entender como e porque mulheres sofrem mais de dores crônicas, ao chamar atenção para a necessidade da pesquisa mais aprofundada destas diferenças em humanos, e de levar em consideração as diferenças biológicas durante o desenvolvimento de novos medicamentos e na individualização da terapia medicamentosa.

 

Referências:

  • Sorge RE, LaCroix-Fralish ML, Tuttle AH, Sotocinal SG, Austin JS, Ritchie J, Chanda ML, Graham AC, Topham L, Beggs S, Salter MW, Mogil JS. Spinal cord Toll-like receptor 4 mediates inflammatory and neuropathic hypersensitivity in male but not female mice. J Neurosci. 2011, 31(43):15450-4

  • Sorge RE, Mapplebeck JC, Rosen S, Beggs S, Taves S, Alexander JK, Martin LJ, Austin JS, Sotocinal SG, Chen D, Yang M, Shi XQ, Huang H, Pillon NJ, Bilan PJ, Tu Y, Klip A, Ji RR, Zhang J, Salter MW, Mogil JS. Different immune cells mediate mechanical pain hypersensitivity in male and female mice. Nat Neurosci. 2015; 18(8):1081-3.

Alerta submetido em 03/12/2019 e aceito em 03/12/2019.