DOL - Dor On Line

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Universidade de Brasília - Campus de Ceilândia

Principal    |    Editoriais    |    Edições    |    Sobre a Dor    |    Glossário    |    Projeto DOL    |    Publicações    |    Contato

   
 

Alerta da edição mensal

 

 

Modelo de dor crônica em animais induz aumento no consumo de álcool

Aline Silveira Silva *

 

Dor crônica e abuso de álcool são grandes problemas para a sociedade e, muitas vezes, indivíduos recorrem à bebida em busca de alívio para a dor. De acordo com estudos clínicos, 28% dos pacientes com dor crônica, como aqueles que possuem artrite, têm problemas com álcool, o que pode levar a várias complicações médicas. O objetivo desse estudo é determinar se o uso de um modelo bem estabelecido de dor crônica (osteoartrite) por desestabilização do menisco medial (DMM) e consumo de álcool em camundongos é apropriado para estudar a ingestão da bebida induzida pela dor.

 

Os animais foram divididos em dois grupos: os que sofreram DMM (por meio de cirurgia, cortou-se o ligamento menisco-tibial) e os controles simulados (submetidos à mesma cirurgia, mas sem o corte do ligamento). Treze semanas após a cirurgia, foram submetidos ao teste de incapacidade para testar se o modelo de osteoartrite estava funcionando, ou seja, para observar se os animais que tiveram o ligamento cortado (DMM) apresentavam maior incapacidade funcional. Logo em seguida, foram expostos a duas garrafas: uma de água e uma de álcool, por 24 dias. Ao fim do experimento, foram coletadas e analisadas amostras histológicas dos seus membros posteriores. A concentração da garrafa de álcool foi aumentando gradativamente ao longo dos dias. Observou-se incapacidade e danos nos membros posteriores dos camundongos do grupo DMM. Além disso, verificou-se um aumento significativo no consumo de álcool no grupo com dor crônica na concentração a 20%.

 

Em resumo, o modelo de osteoartrite por DMM induziu aumento no consumo e na preferência por álcool em comparação ao controle, pois os camundongos com incapacidade do membro posterior danificado cirurgicamente consumiam mais etanol por peso corporal em concentração mais elevada de álcool (20%). Sendo assim, outros estudos podem utilizar esse modelo para investigar os mecanismos de consumo de álcool induzido pela dor crônica.

 

Referência: Butlera RK, Knappa DJ, Ulicic V, Longobardi L, Loeserc RF, Breesea GR. A mouse model for chronic pain-induced increase in ethanol consumption. Pain. 2017, 158(3):457–462.

 

* Doutoranda em Ciências e Tecnologias em Saúde na Universidade de Brasília. Mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/FIOCRUZ) (2013), especialista em Vigilância Sanitária (2009) e farmacêutica clínica e industrial graduada pela Universidade de Brasília (2008). Atualmente é Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico no Ministério da Saúde, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde (DGITS)/Secretaria Executiva da CONITEC (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS). Aluna da disciplina "Redação e publicação de trabalhos científicos 1" do Programa de Pós Graduação em Ciências e Tecnologias em Saúde da Faculdade de Ceilândia - UnB.

 

Alerta submetido em 13/04/2017 e aceito em 18/04/2017.


Leitura original e/ou complementar